Mostrando postagens com marcador História Moral. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador História Moral. Mostrar todas as postagens

domingo, 8 de dezembro de 2013

A NUVENZINHA TRISTE

Autora: Maria de Lourdes Pereira
Adaptação: Rosy ( tia Joaninha)
Verso para memorizar: Salmo 139.15 – “Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe bem.”
Introdução interativa: Você aí... se parece com quem? E você... o que mais gosta de fazer? Você... gosta do seu jeito de ser? Vou contar a vocês a história de alguém que vivia triste... parece que ela não estava muito contente com ela mesma!
CENA 1
Lá no alto do céu, vivia uma pequena nuvem. Ela era uma nuvem triste porque não gostava de ser nuvem.
CENA 2
Uma borboleta voava bem alto, perto das nuvens e então a nuvem pensou: “Já sei! Posso ser uma pipa como borboleta!”
CENA 3
E se esticou de um lado, encolheu de outro... até ficar parecida com uma borboleta. Mas ela não tinha cores e o bonito da borboleta eram suas cores . Então percebeu que nunca poderia ser uma borboleta e de novo se entristeceu.
CENA 4
A lua brilhava lá no alto e quando a nuvenzinha viu ficou toda alegre. Ela bem que poderia ser como a lua... e se esticou daqui, encolheu de lá... até ficar parecida com a lua, mas... e o brilho? Ela nunca brilharia como a lua. E de novo a nuvem se entristeceu.
CENA 5
Foi aí que passou um avião voando rápido... “Que lindo! Posso ser um avião!”
CENA 6
E a nuvenzinha se esticou daqui, encolheu de lá, até tomar a forma de um avião. Mas... não havia piloto e nem passageiros. Ela nunca seria um avião de verdade... e de novo se entristeceu.
CENA 7
Nisso, um balão  passou voando para o espaço e ela ficou toda animada! “Ora, não posso ser um avião, mas posso ser um balao, que voa sozinho!”
CENA 8
E ela tomou a forma de um balao e aí lembrou que não tinha gaz pra continuar a subir...
CENA 9
E a nuvem mais triste ainda começou a chorar porque não podia ser nada daquilo que queria ser... e chorou tanto que suas lágrimas caíram sobre a terra que estava seca e sobre as plantas que estavam murchas.Crianças... aconteceu algo maravilhoso!!!A terra molhada riu feliz e fez as plantas e flores brotarem e tudo lá embaixo virou um jardim.
CENA 10
Quando a nuvem viu o que tinha feito, também ficou muito feliz!Tudo mudou
Seu coraçao estava alegre e como coração alegre ela ficou bonita. Ganhou cores e um belo sorriso E daí pra frente... resolveu que queria ser nuvem mesmo, pra molhar a terra e alegrar as plantas. E foi o que ela fez!

Aplicação:
Naquele dia a nuvenzinha descobriu o quanto ela era especial. Ela não podia ser  uma borboleta ou como alua brilhante, um avião... tão pouco um balao... sabem por que? Deus a fez nuvem e com muito amor! Deus não a criou à toa...
Na criação de Deus, tudo foi feito com um propósito e uma ordem. Cada coisa foi criada com uma determinada forma, ocupando um lugar e com uma função específica.A Nuvem descobriu o seu lugar e a sua função especial na Criação de Deus! Que alegria maravilhosa!!!
Deus criou a mim e a você, ... e se preocupou em fazer-nos parecidos com Ele. Ele se preocupou com cada detalhe seu... Isso significa que somos muito especiais e queridos pra Ele!João 1.12 – A Bíblia nos afirma que além de criaturas D’Ele poderemos também nos tornar filhos de Deus, crendo e recebendo a Jesus Cristo – O Filho Perfeito de Deus, como nosso Salvador.
A Promessa de Deus para seus filhos é que jamais Ele nos deixará, nunca nos abandonará!
Somos criação de Deus e o seu e o meu lugar é na família de Deus e a nossa missão aqui na Terra é ser motivo de louvor ao nosso criador, nos esforçando pra sermos cada vez mais parecidos com Ele... dizendo não ao pecado,servindo a Jesus, amando e conduzindo as vidas que ainda não descobriram o seu lugar na Criação e o quanto são especiais pra Jesus! Jesus às quer salvar d’uma vida de tristeza, que aos poucos tem lhes conduzido à morte e dar a elas vida de eterna alegria e paz!Lembremo-nos sempre: Somos diferentes entre nós, sentimos, pensamos e fazemos coisas diferentes, mas somos igualmente especiais e muito amados por Deus.

A Bíblia

...fortalecei-vos no Senhor ... tomando ... o escudo da fé” (Efésios 6:10, 16).
Textos adicionais: Efésios 6:10-17; Hebreus 13:5; Romanos 12:12, 21.

Material Necessário
Bíblia de capa dura
6 balões infláveis
3 alfinetes com cabeça colorida e almofada de alfinetes
Barbante

Modo de preparar
Encha os balões, amarre o barbante de um lado a outro da sala ou entre duas cadeiras e pendure nele os balões inflados (outra opção é pedir a voluntários para segurá-los durante a demonstração). Espete os alfinetes na almofada.

Mensagem
(Leia Efésios 6:10-17 e fale sobre a armadura cristã.)
Os balões representam a vida dos jovens cristãos. Alguns estão equipados com a armadura de Deus e alguns não. Iremos falar especialmente a respeito da armadura da fé (verso 16).
Satanás tem muitos alfinetes inflamados (mostre a almofada com os alfinetes). Este é um alfinete que ele sempre usa.

Primeiro Balão: Desânimo
“Você não pode viver a vida cristã”, ele diz. Quando uma pessoa insiste nesse pensamento, está se esquecendo de Hebreus 13:5: “Não te deixarei,nem te desampararei.” Ela se esquece de usar a armadura da fé (mostre o alfinete e, em seguida, fure o primeiro balão).

Segundo Balão: Desânimo
(Utilize o mesmo alfinete. Mostre-o para o grupo e use a mesma tática.) Mas este cristão, embora desanimado, lembrou-se de Hebreus 13:5. Ele usou a armadura da fé (mova o alfinete na direção do balão, mas coloque a Bíblia entre ele e o balão, como uma armadura.

Terceiro Balão: Palavras rudes
(Pegue outro alfinete.) Embora alguém fale palavras rudes para essa pessoa, ela se lembra de “vencer o mal com o bem” (Romanos 12:21). Ela usou a armadura da fé (mova o alfinete na direção do balão, mas use a Bíblia como escudo).

Quarto Balão: Palavras rudes
(O mesmo alfinete). Essa pessoa não ora e não lê a Bíblia com freqüência, portanto, está sem a armadura (fure o balão com o alfinete). Quando ouve palavras rudes, fica irado e retribui no mesmo nível. Os alfinetes de Satanás encontram outra vítima.

Quinto Balão: Segundo lugar
Algumas vezes, na escola, na igreja ou em alguma outra atividade, alguém é escolhido em vez de você. Você fica em segundo lugar, porém, acredita que poderia fazer melhor do que a pessoa que foi escolhida (escolha outro alfinete). Satanás tem um alfinete para você nesse momento, mas se você estiver usando a armadura da fé (Romanos 12:12), o alfinete não poderá feri-lo (repita a mesma ação usando a Bíblia como escudo).

Sexto Balão: Segundo lugar
(O mesmo alfinete.) Talvez outra pessoa seja escolhida para cantar, quando você sabe cantar melhor, mas o alfinete de Satanás não pode feri-lo (faça o movimento de furar o balão, mas atinja a “armadura”, a Bíblia), pois você está forte no Senhor, vestido com a “armadura de Deus” e permanece firme “contra as ciladas (enganos) de Satanás” (Efésios 6:10, 11).

REFLEXÃO
A Bíblia é a nossa única proteção quanto aos ataques de Satanás. É a maneira que Deus nos mostra como devemos nos proteger dos perigos, tristezas, brigas, desobediências, inveja e muitas outras tentações. Quando a tentação nos assalta, devemos sempre buscar na Bíblia os conselhos divinos. Confiando no poder de Jesus e na promessa que Ele fez de sempre estar ao nosso lado e nos fortalecer, estaremos usando a “armadura da fé” e seremos vitoriosos. Quantos gostariam de estar “vestidos” com a armadura da fé?

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Jaime e o ateu














Homem ateu salva menino órfão de um incêndio e queima suas mãos. Ao ver as queimaduras, Jaime escolhe ir morar com o ateu.
Ao verem um quadro de Jesus morto na cruz, o ateu conta a história da crucificação para Jaime.
Quando, à noite, não consegue dormir, Deus impressiona sua mente com a comparação de que Jesus também teve as mãos feridas por nós.


(Fig. 1)
Jaime era um orfãozinho que morava com uma tia velha e maliciosa. Era tão mesquinha, que não lhe dava bastante alimento. Não gostava de cuidar dele. Podia ver pelo rosto dela que não amava ao nosso Senhor Jesus Cristo.
Jaime dormia num quarto miserável do 2º andar da casa desta tia.




(Fig. 2)
Uma noite, enquanto ele dormia, a casa incendiou-se. A casa era muito velha e construída de madeira, e por isso queimava-se rapidamente e com facilidade como se fosse palha. O alarme soou na vila. Pouco depois alguns homens com estopas molhadas e baldes de água corriam no local, fazendo todo o possível para apagar o fogo.
Enquanto trabalhavam arduamente para vencer as chamas, ouviu-se o grito de um menino atemorizado e a chamar vindo da janela do quarto do 2º andar:
- "Socorro!"
Erguendo os olhos, viram Jaime ali na janela, mas ninguém estava pronto para arriscar a vida para salvá-lo. Aquele que tentasse, poderia ser queimado severamente, e talvez ser levado à morte.



(Fig. 3)
Naquela vila morava um homem que era ateu. Sempre dizia ao povo que não acreditava em Deus, nem em Jesus Cristo, nem na Bíblia como a Palavra de Deus. Quando viu o rosto de Jaime na janela, rapidamente subiu pelo cano que passava perto da janela. Quando chegou ao nível da janela estendeu seu braço forte, tirou Jaime das chamas e, agüentando o calor intenso do fogo, levou Jaime até o chão.
O ateu sofreu queimaduras nas mãos, mas a tia de Jaime por causa das terríveis queimaduras que sofrera, morreu. Isto deixou Jaime sem lar mais uma vez.
O povo da vila não podia imaginar o que iria acontecer com ele. Um pastor levou o menino à casa dele e disse ao povo que se alguém quisesse adotá-lo que viesse à casa dele num determinado dia.



(Fig. 4)
Entre outros que vieram para adotar a criança, havia um casal chamado Souza. Não tinham filhos em casa e queriam adotar Jaime. Mas enquanto a Sra. Souza falava com Jaime e pedia que viesse morar com ela na sua casa como seu filho, o ateu apareceu na porta.



(Fig. 5)
Depois de entrar a convite do Pastor, explicou-lhe que queria convidar Jaime para morar com ele. O pastor, sabendo que o casal Souza falaria ao menino a respeito de Jesus Cristo e faria todo o possível para que Jaime o aceitasse como seu salvador, queria que eles, o casal, e não o ateu, adotassem o menino.
O ateu falava pouco, mas enquanto se aproximava de Jaime e da Sra. Souza, começou a descobrir a mão esquerda, e tirar as ataduras e o homem mostrou as feridas e disse:
- "Não queres vir ser meu filho?"



(Fig. 6)
E Jaime, vendo a mão queimada e ferida, correu para o homem, abraçou-o e disse-lhe:
- "Quero ir com o Sr. e ser seu filho, porque a sua mão foi queimada em favor de mim."
Ninguém podia negar que o salvador do menino tinha o 1º direito sobre ele. Assim, o pastor juntou a roupa de Jaime, e ele foi para a casa do ateu, pois sabia que ele o amava.



(Fig. 7)
Jaime e seu novo pai tiveram tempos maravilhosos juntos: brincavam, pescavam no rio perto da casa, passeavam nas florestas, etc. Nada, entretanto, foi dito a respeito do Senhor Jesus. De fato, nenhuma palavra foi mencionada a respeito de Deus, o Pai. Nenhuma "Ação de Graças" foi dada à mesa quando se assentavam parar comer.
Um dia, fez-se na vila uma exposição de pinturas. Os quadros foram pendurados na parede do grande salão da prefeitura. Pessoas vieram de longe para apreciar as pinturas maravilhosas, e Jaime, com seu pai, foi examinar cada quadro.
O pai explicou-lhe cada uma até chegar perante um quadro especial. Tentou passar despercebido por ele e explicar-lhe o outro junto além; mas Jaime ficou preocupado e desejou ver toda aquela pintura especial.



(Fig. 8)
Assim voltou e perguntou ao pai:
- "Por que estão os cravos nas mãos e pés deste homem? E por que as pessoas estão chorando tanto?"
O ateu, reconhecendo que não podia evitar as perguntas do rapaz replicou:
- "Pois bem, eu não creio na história, mas é isto que me contaram acerca do homem neste quadro.
"Muitos anos atrás, quase 2000 anos, uma multidão estava de pé em frente a um grande edifício do governo de Jerusalém, uma cidade na terra da Palestina. Pilatos, o governador, julgava um homem e achava que não era culpado, mas inocente. Levou o homem para fora do palácio e disse:
- Não acho culpa nele. Vou castigá-lo ou libertá-lo?!
Era costume para o governador daquela época, uma vez por ano, perdoar ou libertar um criminoso: o preso que o povo pedisse.
Assim Pilatos indagou ao povo:
- Quem quereis que vos volte? Barrabás ou Jesus, o que se chama Cristo?.
E enfurecida a multidão clamava:
- Crucifica Jesus! Crucifica-o! Crucifica-o! Crucifica-o!
Pilatos, por causa disso mandou açoitar a Jesus.
Os soldados, zombando, colocaram uma coroa de espinhos na cabeça de Jesus, que fez com que o sangue corresse. Cuspiram-no na cara, e deram-lhe pancadas e varadas. Mas durante tudo, o homem não fez nenhum esforço para defender-se. Por último, colocaram sobre os ombros de Jesus uma cruz pesada e o levaram para ser crucificado no lugar chamado calvário. Ali cravaram suas mãos e seus pés. Levantaram a cruz e deixaram-no cair num buraco. Por cima da cabeça, escreveram estas palavras: "ESTE É O REI DOS JUDEUS".
- Essa Jaime, é a história, mas eu não acredito nela.
Assim, o pai e o filho continuavam a andar, olhando a cada quadro até que chegaram ao ponto por onde tinha começado.
Jaime, intrigado com toda aquela história, rogou ao pai, no caminho para casa, que contasse a história de novo, e outra vez quando estava para se deitar. Antes do ateu deixar o quarto da criança, Jaime lhe disse:
- "Papai, as mãos feridas do homem me fazem pensar em suas mãos queimadas e de como o senhor sofreu por mim para me salvar!"




(Fig. 9)
O que o menino dissera ficou na mente do pai por muito tempo e não pôde conseguir dormir bem naquela noite. Lembrou-se daquele dia em que fora a casa do pastor para pedir Jaime para si. Imaginava quão terrível teria sido se Jaime não desse valor a mão ferida e tivesse recusado se tornar seu filho. Não agüentava tal pensamento. Ele se feriu por Jaime, arriscou a sua vida para salvá-lo e mesmo assim Jaime não era forçado a acompanhá-lo; podia ter escolhido ir com o casal Souza.
Quão contente estava ele, porque resolvera tornar-se o seu filho.
De repente tornou-se triste, porque DEUS lhe fizera entender que apesar do fato de Jesus ser ferido por ele, mesmo crucificado pelos seus pecados, ainda recusava se fazer um filho de Deus.
Deus trouxe-lhe a memória alguns versículos da Bíblia que aprendera quando era menino:
"Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3:23);
"Cristo sofreu por nós” (1 Pedro 2:21-24);
"Aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo"(Apocalipse 20:15);
"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3:16).




(Fig. 10)
Deus o convenceu de tal maneira de sua incredulidade, que ele ajoelhou-se ao lado da cama e aceitou a Jesus Cristo como o Salvador.
Agora ele estava alegre.
Pouco depois, Jaime, também, aceitou a Jesus como seu salvador. E os dois foram feitos filhos de Deus. Porque creram no Seu Nome.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

A LAGARTA


                                                             A lagarta

Certa vez havia uma lagarta procurava um lugar para morar,pois ela se sintia muito sozinha.Um belo dia ela foi passear num bosque onde tinha árvores  muito bonita,e isso chamou muito sua atenção.

De longe dona lagarta avistou uma bela árvore e nessa árvore morava o senhor macaco (mostrar o macaco),e então dona lagarta resolveu ir falar com ele. 

Bom dia senhor macaco que linda árvore o senhor mora será que eu posso morar com o senhor pois não tenho nenhum lugar pra morar estou tão sozinha,será que eu posso morar com você??

O senhor macaco olhou bem pra lagarta e disse assim Não dona lagarta você não pode morar aqui,você é muito feia e minha árvore é linda e se você vir morar aqui vai deixar minha árvore feia .Não quero você aqui.

Então dona lagarta saiu dali triste e foi procurar outro lugar para morar.Então avistou outra linda árvore,ela se aproximou e perguntou bom dia dona coruja(mostrar a coruja),que árvore linda que você mora será que eu posso morar ai com você?É que estou procurando um lugar para morar pois estou tão sozinha.

Mas a dona coruja respondeu,Não dona lagarta você é muito feia,você vai deixar minha árvore muito feia não quero você morando aqui comigo não tá.

E dona lagarta saiu triste dali pois estavão julgando ela pela aparência,mas mesmo assim ela não desistiu continuo procurando até que avistou outra árvore e nela morava o senhor passarinho.Então dona lagarta resolveu ir falar com ele.

Bom dia senhor passarinho(mostrar o passarinho) que linda árvore o senhor mora,eu estou procurando um lugar para morar será que posso morar aqui com o senhor .O senhor passarinho olhou bem para a dona lagarta e disse assim pra ela:

Pode sim dona lagarta eu me sinto sozinha nessa enorme árvore ficarei muito feliz com a senhora morando aqui.Mas tem uma coisa,todos os dias eu saio cedinho pra trabalhar e só volto a noite.E enquanto estou trabalhando a senhora vai ter que ficar aqui sozinha.

A dona lagarta ficou tão feliz e ficou morando ali e todas as manhãs o senhor passarinho saia para trabalhar,e a dona lagarta ficava ali cuidando da árvore.Mas certo dia o passarinho voltou do trabalho e não encontrou a dona lagarta e ele ficou tão triste.Só chorava pois ele achava que tinha perdido sua amiga.(colocar o cazulo na árvore).Mas o tempo passou e  dona lagarta se transformou numa linda borboleta.(mostrar a borboleta)E foi procurar seu amigo o senhor passarinho.E ela o encontrou triste chorando,e ela perguntou o que foi senhor passarinho porque está tão triste.E ele contou o que tinha acontecido e a dona lagarta começou a sorrir e voar em volta do senhor passarinho.E ele disse o que foi?Porque você está rindo se eu estou tão triste?

E a borboleta respondeu sou senhor passarinho sua amiga a lagarta me transformei nessa linda borboleta e agora já posso trabalhar e te ajudar senhor passarinho.

Então o senhor passarinho reconheceu a dona lagarta e ficou muito feliz por ter encontrado sua grande amiga.

E a borboleta foi procurar o senhor macaco e a dona coruja,pois eles aviam desprezado ela.E quando eles viram que a dona lagarta tinha se transformado numa linda borboleta,queriam que ela fosse morar com eles mas ela não quis,pois no dia que ela foi pedir pra morar com eles,eles não quizeram pois a achavam feia.E assim a borboleta ficou morando com o passarinho.

 Nessa história você líder de criança pode trabalhar vários temas ore ao Senhor que Ele vai te revelar a mensagem.

                                                                          

(atenção as mascaras é para interagir com as crianças conforme for contando a história coloque a mascara em uma crianças elas vão amar)

CONFUSÃO NA ESTANTE


14/03/12

LUGAR DE DESTAQUE



O armário de Larissa estava sempre em guerra, ou melhor, era o palco de muita confusão entre os materiais, porque todos queriam ocupar o lugar de destaque.
O caderno, achava que era o melhor e dizia:

- Sou eu quem recebe as anotações! (falou o caderno orgulhoso), Registro tudo em minhas folhas, sem mim, não há aprendizagem!

- Mas se eu não existisse você não teria utilidade! (interferiu o lápis), Sem mim, não existiria escrita!

- Mas, sem mim, você teria vida curta! (Falou o apontador), Sem ponta, você seria ninguém. Portanto, sou mais importante que os dois!

- Eu sou a fonte da cultura, da sabedoria, do conhecimento... Porque guardo informações importantes, vocês só têm utilidade depois de mim! (atacou o livro), Por isso mereço o lugar de destaque!

- Como corretor, eu mereço esse posto, porque corrijo os erros de todos! (defendeu a borracha), O caderno só serve para receber informações, e sem o lápis se torna inútil, o apontador apenas quando é solicitado... O livro...

- ... e você quando ocorre um erro! (interrompeu o giz de cera), Eu, entretanto, alegro a todos com as minhas cores... Mereço esse destaque por mérito!

- Então o justo seria eu que meço tudo! (falou a régua com arrogância), O tamanho da vida do lápis, da borracha, do caderno... Sem me desgastar...

- Para que medir o que já nasceu sob medida¿

- Descordou o caderno. – Na educação, você é a que tem menos utilidade...

- Calma pessoal! – Interferiu a mochila com firmeza! Eu carrego todos para cima e para baixo e não disputo o lugar de destaque. Todos são importantes, porque cada um tem seu valor, a sua utilidade... Por isso, ninguém é melhor do que ninguém, apenas por ser maior ou terá algo a mais... Eu sou maior, mas não teria nenhuma importância se vocês não existissem...

O discurso da mochila convenceu á todos, que abaixaram a cabeça ao certificarem-se de que cada trabalho, por menor que seja tem a sua importância para a construção de um mundo melhor.

Esta mensagem nos mostra que devemos ser humildes, considerando o outro superior a nós mesmos!

O próprio Jesus nos ensinou isto, quando assumiu a forma de servo.

Pois Ele, substituindo em forma de Deus não julgou com usurpação o ser igual a Deus.

Antes a si mesmo se esvaziou e se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Levando sobre si todo nosso “peso”,nossos pecados.

Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

Ref :Is.53\FI.2.1_11

 

A BÍBLIA E O CELULAR


Já imaginou o que aconteceria se tratássemos a nossa Bíblia do jeito que
tratamos o nosso celular?
E se sempre carregássemos a nossa Bíblia no bolso ou na bolsa?
E se déssemos uma olhada nela várias vezes ao dia?
E se voltássemos para apanhá-la quando a esquecemos em casa,
no escritório... ?
E se a usássemos para enviar mensagens aos nossos amigos?
E se a tratássemos como se não pudéssemos viver sem ela?
E se a déssemos de presente às crianças?
E se a usássemos quando viajamos?
E se lançássemos mão dela em caso de emergência?
Mais uma coisa:
Ao contrário do celular, a Bíblia não fica sem sinal. Ela "pega" em
qualquer lugar.Não é preciso se preocupar com a
falta de crédito porque Jesus já pagou a conta e
os créditos não têm fim.E o melhor de tudo: não cai a ligação e a
carga da bateria é para toda a vida.
"Buscai ao Senhor enquanto se pode achar,invocai-o enquanto está
perto"! (Is 55:6)
Já imaginou o que aconteceria se tratássemos a nossa Bíblia do jeito que
tratamos o nosso celular?
E se sempre carregássemos a nossa Bíblia no bolso ou na bolsa?
E se déssemos uma olhada nela várias vezes ao dia?
E se voltássemos para apanhá-la quando a esquecemos em casa,
no escritório... ?
E se a usássemos para enviar mensagens aos nossos amigos?
E se a tratássemos como se não pudéssemos viver sem ela?
E se a déssemos de presente às crianças?
E se a usássemos quando viajamos?
E se lançássemos mão dela em caso de emergência?
Mais uma coisa:
Ao contrário do celular, a Bíblia não fica sem sinal. Ela "pega" em
qualquer lugar.Não é preciso se preocupar com a
falta de crédito porque Jesus já pagou a conta e
os créditos não têm fim.E o melhor de tudo: não cai a ligação e a
carga da bateria é para toda a vida.
"Buscai ao Senhor enquanto se pode achar,invocai-o enquanto está
perto"! (Is 55:6)










 

A NUVENZINHA ESCURA


                              A nuvenzinha escura

Era uma vez,uma nuvenzinha escura muito malvada.Ela era a nuvem mais suja do céu de tanto pecado que tinha dentro dela.A nuvenzinha vivia dizendo coisas ruins,soltando raios pra todo lado e assustando as pessoas com seus trovões.(colocar os raios e falar sobre eles).Quando uma nuvenzinha ficava no seu caminho ela dava um empurrão tão forte que a nuvem voava longe.

As pessoas lá em baixo já ficavam com medo só de ver a nuvenzinha escura lá longe no céu,porque sabiam que ela era muito perigosa,então todos corriam e se escondiam dela.Mas um belo dia uma nuvem maior que estava passando no céu perguntou:

_Nuvenzinha escura porque você é tão má assim?

E a nuvenzinha escura respondeu :

Que te importa?Cuida da sua vida!

Credo além de malvada é você também é muito mal educada..._disse a nuvem com surpresa.Que coisa feia ficar respondendo assim....

A nuvenzinha escura fez uma careta e nem se importou.

Você sabia que quem faz coisas ruins não pode entrar no céu?Falou a nuvem maior.A que ideia é essa!Eu já estou no céu não tá vendo?Respondeu desaforada.

Não este céu mais o Céu dos Céus,a casa de Deus!

A nuvem escura ficou curiosa e a nuvem continuou.(apresentar o livro sem palavras)

Deus no ama muito,foi Ele quem nos criou.Ele nos ama tanto que fez um lugar especial para nós lá no céu.Lá é muito lindo,não tem tristeza nem maldade,quem tem pecado não pode entrar lá.O que é pecado?Perguntou a nuvem escura curiosa.(mostrar o coração dourado).

Pecado são as coisas que fazemos que nos separa de Deus,que deixa Deus triste como mentir,falar palavrão,desobedecer,brigar,bater,etc.(Romanos 3:23 mostrar o coração preto).Quem faz essas coisas tem o coração sujo de pecado e desta forma não podemos entrar no reino do Céus e morar com Deus.

Ai agora?Meu coração tá sujo!E eu não vou poder morar no céu com Deus.Respondeu a nuvenzinha escura aflita.

Não se preocupe tanto.Disse a nuvem maior,tranquilizando a nuvenzinha escura.(mostrar o coração vermelho).Deus nos ama tanto que deu seu único filho pra morrer numa cruz e sofrer muito em nosso lugar.Jesus derramou seu sangue para lavar nossos pecados.Mas Ele ressuscitou e se você quiser,pode pedir pra Ele entrar no seu coração e deixar ele limpinho,pronto para entrar no céu!

Ufa que bom!E como faço isso?Aliviou-se a nuvenzinha.

È só repetir assim comigo:”Senhor Deus eu sei que fiz coisas ruins que não te agradam e meu coração ficou todo sujo de pecado,mas eu estou muito arrependida e quero te pedir perdão.Por favor Senhor Jesus,só o Senhor pode me perdoar e limpar meu coração outra vez.Entra na minha vida e faça de mim sua nova casa.Eu te aceito e deixo que me guie para que eu nunca faça coisas ruins de novo.Te agradeço Amém.A nuvenzinha escura repetiu toda a oração e ela chorava tanto arrependida que o pecado dentro dela foi escorrendo,escorrendo até ela ficar branquinha de novo.(mostrar o coração branco).

E desde então a nuvenzinha se tornou uma nuvenzinha boa.Ela fez sombra para os trabalhadores no campo regou as árvores do bosque e refrescou as crianças no parque com sua garoa.Quando sem querer,trombava com outra nuvenzinha ela pedia desculpa e dava passagem.As pessoas não tinha mais dela e Deus ficou feliz com a nova nuvenzinha.(mostrar o coração verde e falar que temos que crescer na presença de Deus).

 

 

 

 

 

 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

 

Alegoria das Ferramentas

texto APEC

recurso visual ( Tia Joaninha)

 
 




Alegoria das Ferramentas

Há muito tempo atrás, em uma carpintaria, quando todo o trabalho havia acabado, as ferramentas começaram a conversar entre si. Elas discutiam para saber qual delas era a mais importante para o carpinteiro.

O Sr Martelo começou: Certamente que sou Eu o mais importante para o carpinteiro! Sem mim os movéis não ficaram de pé!, pois eu tenho que martelar os pregos!

O Sr. Serrote logo quis dar a sua opinião: Você Sr martelo? Você não pode ser! Seu barulho é horrível! É ensurdecedor ficar ouvindo toc, toc, toc... O mais importante sou Eu! O serrote! Sem mim, como o carpinteiro serra a madeira? Eu sou o melhor!

Não, não, não! Falou a dona Lixa: Eu sim sou a melhor! Se não fosse Eu os movéis não seriam tão lisinhos e
perfeitos! Eu sou a mais importante!

Ah! mais não é mesmo! disse a dona Plaina: Eu é quem deixo tudo retinho, e tiro as imperfeições da madeira. Eu sim sou a indispensável...

Tsc, tsc, tsc... Nada disso, disse a dona Chave de Fenda: Se não fosse Eu, como o carpinteiro iria apertar os parafusos? EU sim sou a melhor!

Ah! não ! Que absurdo! disse o Sr Esquadro: Eu sou o mais importante! Sem mim os movéis ficariam tortos! O carpinteiro nem saberia a medida. EU sou o mais importante!

As ferramentas ficaram discutindo até o dia amanhecer...

O carpinteiro chegou para trabalhar, colocou sobre a
mesa a planta de um movél e começou a trabalhar!
Ele usou todas as ferramentas. Usou o serrote, o martelo, o esquadro, a lixa, a plaina, os pregos, o martelo, a chave de fenda, a cola e o verniz para deixar o movél brilhando....

Enfim ele acabou. Chegou o fim do dia o carpinteiro estava cansado, mas feliz com o que tinha feito! Seu trabalho com as ferramentas tinha ficado
ótimo!

O carpinteiro foi para casa. Enfim, as ferramentas voltaram a conversar. Só que agora elas ficaram admirando o que tinham feito todas juntas e o carpinteiro. Sabe o que elas fizeram? Um púlpito de uma igreja! E tinha ficado
lindo!

Elas chegaram a uma conclusão: Todas eram importantes!! Aos olhos do carpinteiro. Ele usou todas! Sem exceção de nenhuma! E o movél tinha ficado lindo!

Elas descobriram que quando todas trabalham juntas tudo anda melhor!!

************************************************

(Moral da história)

O carpinteiro representa
JESUS ou o Pastor de sua igreja, dependendo como você vai usar essa história. As ferramentas representam os membros, ou crianças.

Cada um de nós tem um valor importante no reino e na obra de DEUS. É ele quem nós usa e capacita para fazermos a sua obra. Cabe a nós como ferramentas nos deixar ser usados. (você
professor pode colocar a moral que vc achar que se encaixa melhor para a sua turma).

 









 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


terça-feira, 17 de abril de 2012

HISTORIA DO BAMBU


TEXTO:JOÃO 7.38
Objetivo Geral:
Consagração, Serviço
Material necessário:
Um bambu com alguns galhos,eo nós quebrados anteriormente,com exceção de um, que deverá ser quebrado na hora da mensagem.Uma jarra com água,alguns copos de plástico e um balde.

Ilustração




Mensagem:Vocês conhecem a história do bambu?Então vou lhes contar:Havia um bambu que queria ser usado para alguma coisa útil.Não queria ficar lá plantado balançando de um lado para o outro.Ele viu que do outro lado da estrada havia uma pequena fonte d'água e as pessoas passavam perto dela com muita sede,mas não conseguiam alcançá-la.O bambu então disse -"Puxa, eu poderia ajudar aquelas pessoas, trazendo a água para perto delas e assim elas teriam suas necessidades satisfeitas." Então, um lenhador chegou e o tirou de onde ele estava e o levou até aquela fonte. Aí a água começou a correr atrvés dele (pedir a ajuda de duas crianças ou um adulto e uma criança. Deixe o adulto levantar o bambu e a criança segurá-lo na outra ponta. Coloque um pouco da água da jarra, mas a água não passa).
o que está acontecendo? Qual é o problema? O problema estava na água? Não, o problema é que dentro do bambu havia uma parte dura, o nó do bambu,que não deixava a água passar, algo que ele tinha desde nascença.desde que ele havia nascido.Era alguma coisa que sempre estivera com ele.(Talvez o pregador queira falar do pecado original. O fato de que todos nós nascemos pecadores,com esta parte "dura" em nós). Aquele nó precisava ser quebrado.(neste momento o nó deve se quebrado,furado,usando-se um objeto duro como um cabo de vassoura ou uma chave de fenda por exemplo).
Ah, quando aquele nó foi quebrado doeu bastante. Mas aquilo precisou acontecer, caso contrário, a água não poderia correr através dele, e ele não poderia ajudar as pessoas.
Vamos tentar de novo. (Jogar a água e deixa-lá cair no balde na parte em que a criança está segurando). Viram, agora a água pode fluir livremente. o que nós podemos aprender com esta lição? Que Deus deseja nos usar,mas existem partes duras na gente que impedem que Deus atue atrvés de nós. Nós todos podemos ser instrumentos de Deus para ajudar as pessoas. Por isso precisamos estar ligados à fonte, ou seja a Deus. Mas, se há defeitos e problemas em nós, eles precisam ser quebrados.Quer exemplos do que pode fazer com que Deus não atue em nossas vidas ? O egoismo, coração endurecido,teimosia,nariz empinado, ou orgulho etc... todas estas coisas impedem que a água corra livremente. Isso impede que Deus atue através de nossas vidas. Você deseja que Jesus faça isto hoje na sua vida?

sábado, 21 de janeiro de 2012

FAMÍLIA MÃO

Cada membro da Família é importante (Família da Mão)
Objetivo: Levar a criança a reconhecer que cada membro da sua família é importante.
Versículo: Um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: Esforça- te! Isaias 41:6
Introdução
Polegar, indicador, médio, anelar e mínimo são os nomes dos cinco componentes da família da mão. Como se diz: “está na cara que são da mesma família”. Todos se dão muito bem e fazem muitas coisas juntos.
No entanto, certo dia, o dedo médio achou que ele era mais importante que os outros dedos.
Afinal, era o maior, o do centro e, por isso, pensava que seu trabalho era governar e tomar as decisões por todos.
O dedo indicador não aceitou essa idéia e protestou:
- Jamais o dedo médio poderá ser o nosso governante, isso cabe a mim. Eu, por natureza sou líder! Vejam bem: sou eu quem aponta quando algo não está certo. Numa briga, todos os outros dedos se recolhem e se dobram. Mas eu fico firme, acusando e defendendo.
- Alto lá!- gritou o dedo anelar. Se existe alguém mais importante que os outros, então sou eu.
Afinal, é em mim que colocam o famoso anel de ouro, mais conhecido como aliança. Esta honra só pode ser dada ao dedo mais importante.
O dedo polegar também manifestou o seu pensamento:
- A importância de cada um, se julga pela força e vigor. E nisto vocês devem reconhecer que me sobressaio. O agricultor, por exemplo, não consegue segurar o cabo da enxada sem mim.
O dedo mínimo, depois de Ter ouvido seu irmão polegar falou:
- Tamanho não é documento, pois se eu não segurasse a lã para tricotar a as luvas, estariam todos congelados, sem capacidade para nada.
E, assim, a briga estava armada, após muita gritaria, encontraram outra família de dedos e se cumprimentaram com um forte aperto de mão.
Então, reconheceram que todos são importantes, apesar de terem funções e qualidade diferentes. Reconheceram, também, que todos são necessários e que um serve para completar o outro.
E para viver em harmonia deve existir igualdade, respeito, amor e compreensão.
Odila Viani Hennig Schwalm





ZÉ CORAÇÃO



Este é o Zé Coração.
Vocês sabem por que ele tem esse nome?
É porque o seu rosto tem o formato de coração. Ele é um menino mal humorado, por isso, não tem amigos. (mostrar)
Ele tem olhos tristes (mostrar).
Seus olhos só vêem o defeito dos seus colegas. Ele não acha nada bonito.
Para ele, o mundo e a vida são horríveis. Ele não se alegra com nada. Qualquer coisa é motivo de choro.
Seus ouvidos são tristes (mostrar).
Ele só gosta de ouvir piadas picantes, indecentes, zombarias e palavrões.
Da sua boca, só saem palavrões, mentiras... (mostrar).
Ele fala mal de todos, põe defeito nos colegas... ele é malcriado, responde com desrespeito aos professores, às autoridades. Ele não respeita ninguém.
Seus pés, como todo o seu corpo, também é triste (mostrar). Eles vão a lugares que não agradam a Deus. Eles costumam ser usados para fazer os colegas tropeçarem e para praticarem coisas más.
E suas mãos? Delas também só sai tristeza. Zé as usa para roubar coisas de seus colegas, como lápis, dinheiro, caneta e borracha. Os professores já não sabem o que fazer com ele.
Embora já tenha sido expulso de várias aulas e já tenha freqüentado muitas escolas, Zé Coração não se corrigiu.
Um dia, apareceu em sua escola, uma  menina chamada Ana.
Ana era um menina feliz e ao contrário de Zé Coração, gostava de fazer amizades.
Por ser muito simpática, Ana logo conquistou a amizade de Zé. E, num instante, Ana já estava falando de Jesus e do amor de Deus para o Zé. Ela até mostrou um versículo na Bíblia, que dizia:
“Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que n’Ele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna.”
Ana mostrou a Zé Coração, que o amor de Deus por ele e por toda a humanidade havia sido tão grande, que Ele enviou Seu único filho, Jesus Cristo, para morrer numa cruz pelos nossos pecados, nossos erros. E aquele que crer no sacrifício de Jesus não apenas terá vida eterna, mas terá também uma vida com objetivos, uma vida mais feliz.
Zé Coração sentiu o amor de Deus por ele, reconheceu as coisas erradas que fazia, e ele resolveu entregar sua vida a Jesus Cristo, pedindo-lhe para mudar, totalmente, o seu modo de ser.
E Jesus ouviu o pedido de Zé, transformando sua vida. Agora, ele é um menino feliz. (mostrar)
Os seus olhos, agora, enxergam o mundo lindo que Deus criou. Zé, agora, sabe ver as qualidades dos outros (mostrar).
Ele também gosta de ouvir só coisas boas. Os seus ouvidos estão sempre alegres, agora (mostrar).
Os seus pés passaram a andar só em lugares que agradam a Deus. Eles também são alegres. (mostrar)
As suas mãos, agora, vivem dispostas a ajudar os outros. E ele já não tira mais nada dos outros. Suas mãos são alegres. (mostrar)
Quanto à sua boca, dela, hoje, só saem palavras agradáveis, de estímulo e companheirismo.
Hoje, todos notam a transformação que Jesus fez na vida de Zé. Seus colegas  professores tornaram-se seus amigos e Zé, passou a ter, agora, uma vida repleta de sentido, uma vida cheia de razão, feliz.

domingo, 18 de dezembro de 2011

FAMILIA GARRAFA

O Reencontro de uma família com Cristo!


A FAMÍLIA GARRRAFA
Flávia Brasil Esteves



Objetivo: Que a criança salva deve levar a palavra de Deus a toda a sua família.

Versículo: ... Eu e minha casa serviremos ao Senhor. Josué 24:15

Apresentação:

Arranje cinco garrafas de tamanhos diferentes, preferivelmente de vidro transparente, procurando aproximar os tipos de garrafas com os membros da “família”. Leia a estória antes de caracterizar os “personagens”.

1. Papai Garrafa
Arranje uma garrafa de boa altura, fina, em cujo gargalo se colocará uma moeda ou nota meio enrolada.

2. Mamãe Garrafa
Pode ser bojuda, não muito alta, podendo ter como tampa uma panela de brinquedo ou qualquer outro objeto doméstico.

3. Florinda Garrafa
Será ideal ser representada por uma garrafa de vidro trabalhado, não muito alta, sendo colocada no alto uma flor ou um ramalhete de flores.

4. Rosa Garrafinha
De pouca altura  e pequeno diâmetro, lembrando uma “menina”. Como tampa, poderá servir um carretel (ou retrós) de da linha.

5. Zezé Garrafa Bolão
Deve ser de pouca altura, tendo como “cabeça” uma bola de plástico ou borracha.

As garrafas devem estar vazias; uma boa quantidade d’água deve estar à disposição do narrador, que deverá usá-la para encher as garrafas no momento propício.

Começa-se então, a estória, apresentando-se cada membro da família Garrafa.

 



Lição


Aqui está Papai Garrafa, alto, magro, sempre preocupado com os negócios. Trabalha muito – de manhã à noite – e se preocupa só em ganhar dinheiro. Os propósitos da sua vida estão resumidos em dinheiro. Podemos vê-lo ao chegar em casa à noite, cansado e nervoso. Já vem gritando com todos, sem pensar que mamãe Garrafa e os filhos também tiveram os seus afazeres e contrariedades. Negócios, dinheiro – dinheiro, negócios – esta é a única preocupação de papai Garrafa.

Olhemos agora para Mamãe Garrafa. Que vida atarefada! Cuida dos filhos, cozinha, varre e limpa a casa; não tem o mínimo de sossego durante o dia; sua maior preocupação é manter tudo na maior ordem e o mais perfeito possível; e por isso mesmo vive correndo de lá para cá; sua vida é uma roda-viva entre as coisas materiais.

E aqui está sua filha mais velha – Florinda Garrafa. É mocinha já. Os seus pensamentos são leves como uma pluma e está sempre com roupas bonitas e enfeites atraentes. Com isto a sua cabecinha está cheia, não dando lugar a estudos e coisas mais sérias. Sonha bastante, lê romance, assiste novelas, e então dá asas a sua imaginação. Não tem senso de responsabilidade; por exemplo, não sente que Mamãe Garrafa talvez esteja cansada e precisa de alguma ajuda. Florida não pode estragar o seu penteado, suas unhas, sua “toilette”.

E aqui está Rosa Garrafinha, menina de dez anos. É meiga, boazinha, estudiosa, alcançando sempre boas notas na escola. Gosta de costurar para suas “filhas” – as bonecas, e assim vive despreocupada com outros assuntos. É quieta e procura não atrapalhar os outros, mas pensa só em si, esquecendo-se que já é grande e pode ser de muito auxílio para o próximo.

Por último vem Zezé Garrafa Bolão. É um menino de sete para oito anos. É o valentão do lugar. Comanda todos os garotos, e muitas janelas já foram quebradas por causa da sua mania por futebol. Não tem consideração pelas coisas de casa, não procura poupara a Mamãe com todo o seu serviço. Geralmente está com a camisa suja ou rasgada, os sapatos cheios de lama, os cabelos em desalinho.

Toda a vizinhança conhece a família Garrafa tal qual a temos descrito. Um certo dia, porém, algo aconteceu para que tudo se transformasse. Uma pequena influiu para que todos os membros da família se tornasse completamente diferentes. Veja o que aconteceu:

Convidada por uma amiguinha, Rosa Garrafinha foi a uma aula bíblica. Lá teve a oportunidade de ouvir de Alguém chamado Jesus Cristo. Ouviu que Ele é o Filho de Deus, deixou Seu lar no Céu e veio aqui à terra para encher vidas vazias com a Água da Vida. Todos os corações, de crianças e adultos, são secos e sedentos por causa do pecado. Mas Jesus levou nossos pecados sobre si na cruz, tomando o castigo que merecíamos. Morreu, mas ao terceiro dia ressuscitou e está vivo, no Céu. Por isso, Ele agora pode nos oferecer de graça esta água preciosa. – Rosinha pensou: “É justamente isso que eu preciso!” Com um coração sincero e humilde voltou-se para Cristo, o Salvador (vá despejando água na garrafinha),  e sua vida foi transformada... em um instantinho! De vazia, sem vida, Rosa Garrafinha sentiu a Graça de Deus enchendo a sua alma em toda a sua plenitude. A costura, seu egoísmo de fazer somente o que lhe agradava – tudo isso desapareceu; e o Mestre, amigo das crianças, encheu a sua vida.
Rosa Garrafinha voltou correndo para casa.
-         Mamãe – disse com o rosto todo iluminado – adivinha só o que aconteceu comigo!
-         Mamãe Garrafa preparava apressadamente o jantar e nem quis prestar atenção para o que sua filha lhe dizia. Rosa, porém, continuou a seu lado, contando-lhe com alegria transbordante o que lhe acontecera.
Mamãe sentou-se. Impressionada com o testemunho de Rosinha, ouviu atentamente todas as experiências que havia tido naquela tarde e, meditando sobre a sua própria vida, sentiu-se também só, sem alegrias e necessitada de Alguém que a amparasse e tomasse conta de todo o seu ser. Lembrou-se do tempo de criança e de como havia aprendido a louvá-Lo; agora ali estava, arrependida de ter vivido longe dos caminhos de Deus, sem vida e sem a Água essencial à alma. Mamãe Garrafa então orou com a filha, ali mesmo na cozinha (coloque água na mamãe enquanto apresenta). Dali a instantes, era outra a atmosfera daquele lar. Até as panelas pareciam cantar junto com Mamãe e Rosa Garrafinha.
Esta auxiliou a mãe no preparo do jantar e logo tudo estava pronto.

Sete horas da noite. Chega Papai Garrafa, cansado e nervoso, pronto a responder de mau humor a quem lhe dirigir a palavra. Mas... que diferença! A mesa posta, a cozinha arrumada, Rosa em um vestido limpo e bem penteada. Mamãe com um rosto alegre e bem arrumada:

- Pronto, papai, aqui estão os seus chinelos e o jornal da tarde – disse-lhe a menina com um sorriso que o desarmou completamente.
Logo depois chega Florinda Garrafa, no momento em que a família se dirigia para a sala de jantar. Estranhou o ambiente – a calma, o sorriso nos lábios de todos – porém nada disse. “Que teria acontecido?” Pensavam papai e Florinda, muito desconfiados. Já na hora da sobremesa, aparece o Zezé Garrafa Bolão fazendo barulho, falando alto, mas... ao avistar na sala os pais e irmãs tão diferentes, ficou desarmado para continuar com sua atitude costumeira. Foi bem depressa para o quarto, aprontou-se o mais rápido possível e desceu para jantar.

Acabada a refeição, Papai não agüentou mais de curiosidade e, juntamente com Florinda e Zezé, procurou saber o que havia sucedido.
Mamãe contou então sua experiência daquela tarde. Rosa narrou também tudo quanto havia se passado com ela. Papai, Florinda e Zezé prestavam tanta atenção que pareciam querer engolir as palavras que escutavam. Depois papai (vá despejando água no Papai) com toda seriedade expôs o desejo que surgira em seu coração de se voltar para Deus, deixa tudo quanto até aquele momento havia sido a coisa essencial de sua vida.
Florinda, também, com lágrimas nos olhos reconheceu ter sido superficial, egoísta, orgulhosa (Despeje água na Florinda). Agora queria ser diferente pela graça divina.
Zezé Garrafa Bolão ouviu tudo atentamente. Uma tremenda luta se travava no seu íntimo. Queria deixar Aquele Amigo e Salvador entrar em seu coração ( derramar devagar um pouco de água em cima da bola), e por outro lado, outra força procurava persuadi-lo a conservar tudo quanto mais estimava – os jogos, o futebol, a BOLA.
Papai se rendeu; Cristo saciou sua sede espiritual com Água da Vida. Florinda, resolvida a abandonar todas as coisas passadas Abreu seu coração para que o Salvador lhe desse também daquela Água. Por fim, Zezé Garrafa Bolão, com fé tão simples de uma criança, confessou sua firme decisão (retire a bola e despeje água em Zezé Bolão) de receber de igual modo a Água da Vida Eterna.

Cristo entrou naquele lar, e a noite foi memorável para toda a família Garrafa. Todos juntos se ajoelharam e oraram, e pela graça divina aquelas vidas foram plenamente cheias da Água cuja “Fonte salta para a Vida Eterna”.

Esta é apenas uma estória extraída da imaginação de um ser humano, mas a verdade nela revelada é a de que pelo poder de Cristo Jesus podemos saciar nossas almas sedentas, porque Ele afirma: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (João 7.37b).

Professor:

Aqui faça o apelo, de acordo com a orientação que lhe der o Espírito Santo, através da Palavra de Deus.